Notícias

Las Palmas e Suape discutem aumento das exportações pernambucanas para África e Europa

Na última sexta-feira (19/05), o Presidente da Autoridade Portuária de Las Palmas (Espanha), Luis Ibarra Betancort, esteve reunido com setores estratégicos da economia pernambucana e com a equipe do Porto de Suape para discutir o aumento das exportações do estado para os continentes africano e europeu, utilizando o atracadouro espanhol como porta de entrada para os produtos pernambucanos. As principais mercadorias a serem comercializadas para os destinos seriam as frutas, produzidas no Vale do São Francisco, e o açúcar das usinas das matas Sul e Norte do estado. A agenda foi uma continuidade da parceria firmada este ano, durante a 23ª Intermodal South America, onde os executivos dos dois portos assinaram um convênio de colaboração com o objetivo de construir relações de negócios entre os atracadouros.

“Temos muito interesse no mercado Sul-americano. Somos um porto que está trabalhando muito bem com a África e a Europa. Gostaríamos que o setor exportador brasileiro confiasse em nós para entrar no mercado africano. É um continente imenso, com muitas possibilidades, e portanto, Suape é o porto mais próximo a Las Palmas. O que queremos é desenvolver os portos conjuntamente”, explicou Betancort. Ainda de acordo com o executivo, o Brasil exporta muito pouco para a África, um mercado em expansão e que poderia ser mais explorado pelos produtores daqui.

O representante das usinas Trapiche (PE) e Serra Grande (AL), Saulo Barros Pereira, saiu muito entusiasmado do encontro. A produção açucareira regional possui uma demanda crescente no mercado africano e a possibilidade dos navios que saem carregados de Suape fazerem transbordo em Las Palmas, e de lá seguirem em navios menores para os portos africanos, vai aumentar as exportações de açúcar. Em 2016, o Porto de Suape exportou 73,6 mil toneladas de açúcar ensacado, das quais 44,5 mil foram para a África.

Para que a movimentação entre Suape e Las Palmas cresça, será necessária a criação de linha de navegação direta e regular. Este foi o objetivo da conversa com a representante comercial da Hamburg Süd, Ana Filgueira. A companhia é um dos armadores que operam a navegação de longo curso (entre continentes) em Suape. A conexão direta entre Suape e Las Palmas reduziria para 9 dias o transit time (viagem), bem mais vantajoso para aqueles que usam o Porto de Santos como porta de saída, de onde o navio demora 32 dias para chegar a Las Palmas.

“Suape é o porto com melhor localização para importarmos os produtos para a África e Europa e quem vem crescendo nos últimos anos”, justifica o presidente da Autoridade Portuária de Las Palmas. Nesse mesmo sentido, Las Palmas está a apenas 90 milhas de distância do continente africano, fazendo com que os produtos, sobretudo as frutas que possuem um curto tempo de maturação, cheguem mais rápido aos consumidores.

A comitiva também conheceu as instalações do terminal de contêineres Tecon Suape, onde foram recepcionados pelo presidente Luis Cao. Ao final do encontro, o presidente de Suape, Marcos Baptista, presenteou o presidente do porto espanhol com uma medalha de Suape e uma peça de artesanato produzida por Zezinho de Tracunhaém.

“Vemos boas perspectivas para os produtos de Pernambuco nos mercados africano e europeu para serem exportados via Suape e distribuídos através do Porto de Las Palmas. Essa parceria renderá bons frutos para a economia pernambucana”, comemorou Baptista.

Em 2016, o atracadouro espanhol movimentou mais de 23 milhões de toneladas. É lá que operam as principais companhias petrolíferas da região, o que acaba por resultar na liderança do abastecimento de combustíveis no meio atlântico-oriental. Na movimentação de contêineres, o porto é o 4º na movimentação do ranking entre os portos espanhóis, tendo registrado 914,5 mil TEUs em 2016. Las Palmas também é um porto tradicional na rota dos navios de cruzeiro, com um volume de mais de um milhão de passageiros entre turistas e tráfego doméstico. As ilhas Canárias recebem entre 14 e 15 milhões de turistas por ano. Por isso, quase todas as mercadorias e alimentos que chegam no arquipélago são importados para atender a demanda.

SUAPE

Com 38 anos de existência, o Complexo Industrial Portuário de Suape conta com mais de 100 empresas instaladas e em processo de implantação em seu território de 13,5 mil hectares. Esses empreendimentos somam mais de R$ 50 bilhões em investimentos privados, empregando um total de 18 mil trabalhadores diretamente. Suape está conectado aos principais portos do mundo. Em 2016, o atracadouro contabilizou 22,74 milhões de toneladas de cargas movimentadas, encerrando o ano com crescimento de 15% em relação a 2015. Essa taxa de crescimento foi a maior entre os 10 maiores portos públicos do país, o que alavancou Suape para a 5ª posição no ranking nacional. No primeiro trimestre deste ano, a movimentação geral de cargas somou 5,38 milhões de toneladas e subiu 12% em comparação com o primeiro trimestre de 2016.

Voltar para a página de Notícias